MMASC mostra “Le couple” de Arpad Szenes e Vieira da Silva

22 Março, 2017

O Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso (MMASC) inaugura, a 1 de abril, sábado, pelas 16:00, a exposição “Le couple” de Arpad Szenes e Vieira da Silva. Sobre esta exposição, que pode ser vista na Sala de Exposição Permanente até 25 de junho, escreveu Sandra Santos.

 

Arpad Szenes e Maria Helena encontram-se pela primeira vez na academia parisiense Grande Chaumière, em 1928. Casam em 1930, sem considerarem outra hipótese senão a de uma vida a dois, para sempre. Uma espécie de conto de fadas modernista, traçado a lápis, caneta ou pincel.

Companheiros de vida e de ofício, enredados numa pesquisa paralela e solitária, inspiram-se, partilham e discutem, numa sinergia contínua.

Vieira foi o modelo dilecto, invocado nos primeiros anos pela paixão e pelo desejo e, mais tarde, pelo conforto de um amor sempre disponível. Quieta sem nunca se tornar ausente, Vieira da Silva é desenhada e pintada pelo marido inúmeras vezes, numa variedade de registos que oscilam entre o repouso e a actividade artística, sempre em espaços interiores.

Retratista virtuoso, Arpad capta sobretudo a essência dos traços de Maria Helena. Os primeiros retratos datam dos anos 30, início da vida a dois e, sem se perder em detalhes, Arpad realça, de forma inequívoca, os contornos que definem a pintora. Não é óbvia nestes retratos a cegueira da paixão: Maria Helena não é perpetuada como uma beldade, chega a ser, em muitos casos, quase caricaturada e, no entanto, há uma dedicação quase obsessiva na quantidade de esquissos realizada.

O Arpad retratado por Vieira da Silva é mais formal. As características físicas do artista, sempre reconhecíveis, passam para o plano já filtradas pela visão plástica. A espontaneidade dá lugar a uma dedicada acção de representação, visível na pose do retratado: de olhar fixo em frente, de cabeça apoiada na mão, sentado. À excepção dos retratos que faz do casal, onde se autorepresenta a olhar o espectador e coloca Arpad em segundo plano a pintar, e dois ou três esboços de Szenes, representado apintar ou em roupa de casa, Vieira da Silva deixa poucos vestígios figurativos do companheiro (não existem retratos de Arpad posteriores a 1947), preferindo espelhar as emoções na abstracção.

Aos retratos de Vieira da Silva somam-se os Couples, o casal Arpad e Maria Helena em união, fusão de carne, osso e, por vezes, matérias alheias à anatomia, casal-mesa, casal-objecto, como se a associação dos dois resulta-se numa nova forma de vida, independente e autosuficiente. Em 1940, Arpad Szenes e Vieira da Silva partem para o Rio de Janeiro, deixando para trás uma Europa ameaçada pela guerra. Se até 1939 a maioria dos registos que Arpad fez de Vieira eram traçados nopapel, durante os sete anos que permanecem no Brasil, o pintor realiza uma série de retratos a óleo, sobre tela, madeira ou cartão, que denomina Marie-Hélène e numera de I a XX, além de outros tantosque não são numerados mas pertencem seguramente a este núcleo. Vieira, magestaticamente sentada ou encurvada e imersa na pintura, ganha destaque como objecto de pesquisa.

Com o anúncio do fim da II Grande Guerra os artistas exilados regressam aos poucos à Europa. Desta vaga fazem parte Arpad Szenes e Vieira da Silva, à data residentes no Rio de Janeiro (1940-1947). Os inúmeros retratos de Vieira da Silva, que Szenes pintou entre 1939 e 1947, abrem novas vias de pesquisa, como se os objectos manipulados se transmudassem e, por qualquer progressão alquímica, perdessem matéria e se assumissem como conceito. Vieira da Silva e o seu cavalete, a artista e a pintura, o criador em pleno acto criativo, são a base da pesquisa para a série Conversation.

Ao longo das décadas de 1950 a 1970 Arpad regista uma Vieira da Silva madura, que pinta de pé junto ao estirador, junto ao cavalete. Nestes desenhos não vemos já a menina, dobrada sobre si, curvada perante o cavalete que a subjuga, mas aos olhos de Arpad, a mulher-pintora, decidida e afirmativa, no papel e na vida.

Loja do MMASC aberta também às segundas-feiras
10 Dezembro, 2018

Embora o Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso (MMASC), em Amarante, esteja encerrado às segundas-feiras, a sua loja manter-se-á aberta naqueles dias da semana, a 10 e a 17 de dezembro.

O ...

TAP homenageia Amadeo de Souza-Cardoso e surpreende passageiros a bordo de avião homónimo
15 Novembro, 2018

A TAP assinalou a 14 de novembro o aniversário de nascimento de Amadeo de Souza-Cardoso, com a oferta de um kit, com produtos referentes às suas obras, a todos os Passageiros que viajaram no avi&atild...

Amadeo e o Mundo às Cores de José Jorge Letria
14 Novembro, 2018

No ano em que se assinala os 100 anos do desaparecimento de um dos rostos mais versáteis da pintura portuguesa, Amadeo de Souza-Cardoso, a Filandorra – Teatro do Nordeste estreia, a 14 de novembro (dat...

por thesign

VISITAS / CONTACTOS

Alameda Teixeira de Pascoaes
4600-011 Amarante - Portugal
+351 255 420 282 (Atendimento/Receção)
+351 255 420 272 / 238
mmasc@cm-amarante.pt

| Política de Privacidade

| Termos e Condições