Museu Amadeo de Souza-Cardoso mostra obras de Gonçalo Duarte

25 Agosto, 2016

O Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso (MMASC) inaugura no próximo sábado, 27 de agosto, uma mostra de obras de Gonçalo Duarte, que pode ser vista até 9 de outubro, na Sala de Exposições Temporárias.

“Esta exposição, escreve no seu catálogo António Gonçalves, diretor artístico da Fundação Cupertino de Miranda, permite-nos ver o desenvolvimento da obra de Gonçalo Duarte em diferentes períodos com obras dos anos 60 aos anos 80. Uma maior incidência no trabalho de desenho que mostra como esta técnica foi relevante e um excelente campo de experimentação, muito usado também pelos surrealistas com que Gonçalo Duarte se relacionou”.

“(…) Os trabalhos dos inícios dos anos 60, continua António Gonçalves, são de uma força muito energética com mancha e linha numa convulsão de pendor expressionista e abstrato. As linhas que surgem nos trabalhos dos anos 60 são de espessura bem mais acentuada e muito orgânicas, ocupando toda a folha de papel e agarrando formas mais figurativas, não deixando, no entanto, de se apresentarem com uma índole surrealista”.

Para António Gonçalves, “há, contudo, uma gramática muito pessoal nas formas com que Gonçalo Duarte povoa as suas obras, uma presença do elemento feminino denuncia um pendor erótico nalguns destes trabalhos. As pinturas que aqui se apresentam mostram um trabalho de grande entrega aos temas que formaram parte da dedicação aprofundada, ou mesmo obsessão de Gonçalo Duarte. A História Trágico-Marítima ou a tragédia de Alcácer Quibir são temas onde mergulhou profundamente no encalço de repostas que lhe assegurassem entendimento ou mesmo orientação para instável aceitação do mundo que o rodeava e que o fazia estar longe do seu âmago”.

António Cardoso, diretor do Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, realça a participação de Gonçalo Duarte no grupo KWI, que se radicara em Paris, nos anos 50-60 e que na sua totalidade incluia René Bertholo, Lourdes Castro, Costa Pinheiro, João Vieira, José Escada, o búlgaro Christo, e o alemão Jan Voss.

“O Grupo, escreve o diretor do MMASC, foi grandemente responsável pela penetração da Arte Portuguesa no estrangeiro, com linguagens predominantemente figurativas, da abstração lírica à nova-figuração, nas quais eram evidentes, ainda, referências ao Surrealismo. Gonçalo Duarte foi um caso exemplar dessa aproximação e, finalmente, com laivos de obsessões, visíveis nos últimos desenhos”.

As obras que vão estar expostas no MMASC são oriundas da coleção da Fundação Cupertino de Miranda. A inauguração da mostra terá lugar às 16:00.

>veja aqui a galeria de imagens<

>catálogo da exposição<

MMASC aberto ao público na terça-feira de Carnaval
28 Fevereiro, 2019

Na próxima terça-feira dia 05 de março, data em que se celebra o Carnaval, o Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso estará aberto ao público, no seu horário habitual de fu...

Museu expõe a Procissão Corpus Christi e Cosinha da Casa de Manhufe
26 Fevereiro, 2019

No âmbito do Programa Evocativo do Centenário da Morte de Amadeo de Souza-Cardoso, o Museu acolhe, até ao próximo dia 26 de abril, mais duas obras do percursor modernista, intituladas &ld...

Museu reforça o seu posicionamento com novo aumento de visitantes em 2018
28 Janeiro, 2019

No ano que ficou marcado pela Evocação do Centenário da Morte de Amadeo de Souza-Cardoso, o Museu Municipal voltou a afirmar-se, registando um acréscimo de cerca de 17 por cento do n&uac...

por thesign

VISITAS / CONTACTOS

Alameda Teixeira de Pascoaes
4600-011 Amarante - Portugal
+351 255 420 282 (Atendimento/Receção)
+351 255 420 272 / 238
mmasc@cm-amarante.pt

| Política de Privacidade

| Termos e Condições