Mais de 73 mil pessoas visitaram Amadeo no Grand Palais

12 Agosto, 2016

A exposição dedicada a Amadeo de Souza-Cardoso no Grand Palais, em Paris, teve 73.337 visitantes, uma média de 949 por dia, segundo dados da instituição. A mostra ocupou mil metros quadrados e reuniu cerca de 300 obras em pintura, desenho, gravura e fotografia de Amadeo e de autores do seu círculo próximo, como Brancusi, Modigliani, Robert e Sonia Delaunay.

Apresentada numa das salas mais emblemáticas e mais visitadas da capital parisiense, a exposição constituiu uma grande oportunidade para revelar internacionalmente “um dos segredos mais bem guardados da arte moderna”, citando o historiador de arte norte-americano Robert Loescher.

“A taxa de satisfação dos visitantes foi particularmente elevada: 96% disseram estar satisfeitos e 44% indicaram que ultrapassou as expectativas", indicou o gabinete de imprensa do Grand Palais.

Recorde-se que para esta exposição o Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso (MMASC) contribuiu com 20 peças da sua exposição permanente, entre pinturas, desenhos e caricaturas, correspondentes a diferentes fases da vida artística de Amadeo. Todas as obras regressaram ao Museu e encontram-se em exposição nas salas da Coleção Permanente.

A exposição foi organizada pela Réunion des Musées Nationaux et du Grand Palais des Champs-Élysées e a Fundação Calouste Gulbenkian, que detém grande parte do acervo do artista nascido em Amarante. Comissariada por Helena de Freitas, da Gulbenkian e uma das maiores especialistas da obra de Amadeo, a mostra teve como objetivo dar a conhecer um artista que teve uma vida curta e intensa, tendo falecido com apenas 30 anos, em 1918, de gripe pneumónica.

Amadeo de Souza-Cardoso, figura ímpar da vanguarda modernista parisiense, deixou uma obra fulgurante, cúmplice de todas as revoluções estéticas do seu tempo e, simultaneamente, absolutamente única e original. A sua morte prematura afastou-o da consagração artística e da história de arte internacional. Embora tenha morrido jovem, Amadeo de Souza-Cardoso viveu em Paris, de 1906 a 1914, onde teve contactos com os modernistas, e chegou a exibir e a vender o seu trabalho na capital francesa, nos Estados Unidos, na Alemanha e na Áustria.

Loja do MMASC aberta também às segundas-feiras
10 Dezembro, 2018

Embora o Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso (MMASC), em Amarante, esteja encerrado às segundas-feiras, a sua loja manter-se-á aberta naqueles dias da semana, a 10 e a 17 de dezembro.

O ...

TAP homenageia Amadeo de Souza-Cardoso e surpreende passageiros a bordo de avião homónimo
15 Novembro, 2018

A TAP assinalou a 14 de novembro o aniversário de nascimento de Amadeo de Souza-Cardoso, com a oferta de um kit, com produtos referentes às suas obras, a todos os Passageiros que viajaram no avi&atild...

Amadeo e o Mundo às Cores de José Jorge Letria
14 Novembro, 2018

No ano em que se assinala os 100 anos do desaparecimento de um dos rostos mais versáteis da pintura portuguesa, Amadeo de Souza-Cardoso, a Filandorra – Teatro do Nordeste estreia, a 14 de novembro (dat...

por thesign

VISITAS / CONTACTOS

Alameda Teixeira de Pascoaes
4600-011 Amarante - Portugal
+351 255 420 282 (Atendimento/Receção)
+351 255 420 272 / 238
mmasc@cm-amarante.pt

| Política de Privacidade

| Termos e Condições